Tradutor (incluindo Português)

Mostrando postagens com marcador drogas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador drogas. Mostrar todas as postagens

18/03/13

The drug habits of highly effective people


The drug habits of highly effective people

The Sidney Morning Herald

Photo: The Global Drug Survey
                                                      

Every day Simon gets up at 5.30am to do yoga. Afterwards he heads to his full-time job at a university. Sometimes, he throws in some volunteer work as well. "I'd say I'm a pretty busy person," Simon, not his real name, says. 

The reason he doesn't want his name used is because there's one other part of his lifestyle Simon is explaining.

"I would use drugs a couple of times a month," he says. "Hallucinogens, mainly, and MDMA".

He also uses cannabis and alcohol, although he tends to only drink one or two nights a week.
"I'm reasonably healthy, I look after myself a lot of the time, I'm probably not what a lot of people who are anti-drug have as their stereotype of a drug user," he says.

But Simon is a pretty good example of the type of drug user identified by the Global Drug Survey, conducted this year in Australia in partnership with Fairfax Media.

At 32, he is a little younger than many people who shared their experiences, about 30 per cent of whom were aged between 40 and 60.

Overall, the 6600 respondents were an educated, healthy, heterosexual, Anglo-Saxon and well-off bunch - about a quarter earned over $100,000 each year.

The survey is the biggest ever undertaken in Australia examining current illegal drug users, with about two-thirds of people using them in the past year, and about 45 per cent in the past month.
It paints a picture of the mainstream drug user: one largely ignored by our focus on the harm, and crime, associated with drugs.

Prohibition, many police admit, is having little effect on this user.

Global Drug Survey founder and director Dr Adam Winstock is a London-based addiction psychiatrist.

"I spend my life working with one group of drug users, and they seem to be the only group that governments are interested in," he says. "That's the group whose lives are ruined by drugs, but that is a tiny minority."

Two years ago, he had an epiphany: someone needs to talk to these users, find out what they are doing and give them a forum to find out more.

Along with the survey he started a website called drugsmeter, which allows users to get feedback.

"You need to start thinking about basing your policy and your services around the 80 to 90 per cent of people who use drugs," Winstock says.

And all over the world, he says, those people are similar: next door neighbours, mothers and fathers, university students.

Winstock says the Australian respondents to the survey were slightly older on average than those in Britain, and less likely to be in the clubbing scene. That is probably more a reflection of the fact that in Britain the survey also partners with a music publication called Mixmag.

"Your drugs are also much more expensive here; ecstasy is $25-$30 whereas in the UK it's $10-$15. A gram of cocaine is $350 whereas in the UK it's $75," Winstock says.
Other differences include greater prescription drug use, and more gambling.

Our older, more educated and well-off respondents were also far less likely to have suffered the negative effects of law enforcement. "If you had a whole lot of minority groups and Aboriginal people the survey would have told a different story," he says.

Only 5 per cent of people said they had been stopped and searched by police in the past year although the younger the people, the more likely searches were. Nearly one in five of the 16- and 17-year-olds who answered the survey had been searched. This slumped to only 3 per cent for over 30s.

Younger people were also more likely to have taken risks. About a quarter of people aged between 16 and 30 had snorted a white powder without knowing what it was.

Mystery white powders and nasty tablets conjure some worrying images, but the clearest problem drug to emerge from the survey was alcohol.

Emergency medical treatment was far more common for drinkers, along with people who used synthetic cannabis. And the most common number of standard drinks consumed by people who ended up in a hospital emergency department was 12.

The survey also asked people about the good and bad feelings linked to drugs: things like whether they helped you relax or socialise, made you feel sick or act in ways you regretted. When the good and bad were added up, alcohol and tobacco came out as the least pleasurable drugs. The most pleasurable? MDMA (ecstasy) and LSD.

Tried and tested drugs such as LSD, ecstasy, cannabis and cocaine are those that people are most interested in trying, despite the explosion in new drugs being invented, often sold as ''legal highs''.

And most were not buying drugs online, but from friends and dealers, or, in the case of legal highs, from adult stores and tobacconists, says Dr Monica Barratt, a research fellow at the national drug research institute at Curtin University.

"Of those who do buy online, most of them report first doing so in the last couple of years, which indicates that buying online is becoming … increasingly popular," she says.

Small, inconspicuous drugs like LSD are easy: Barratt says she has heard of one user who received a tab of acid so well hidden in a greeting card that they had to go back to the seller to ask how to find it.

But when it comes to drugs such as cannabis - which is generally only sold through the "silk road", an online black-market trading site - dealers tend to promise the drugs will not be detectable because they are vacuum packed and sealed in "stealth packaging".

Yet anecdotally it appears Australians have more trouble importing drugs than people in Britain and Europe, where borders are more porous.

When drugs are detected, Barratt says, customs tends to send the buyer a letter saying they have the package and the person is free to come and pick it up if they want.

Unsurprisingly, few make the trip.

So what drives someone to try to buy cannabis online?

Barratt believes some people just don't want to maintain social relationships with dealers.
And, in a pattern seen across the retail sector, for some it is the value and variety.

"If you think of it more like the person is a wine connoisseur, who is interested in a particular strand or something unusual, they might not be able to get it through their usual networks, and certainly people might be prepared to pay, and pay a lot more, for that," she says.

These connoisseur drug users are set in their ways, saying they are unlikely to change their habits no matter what the law.

The public has the idea that the legal status of drugs will have a much bigger impact on individual choices that it does in reality, says Professor Alison Ritter, the deputy director of the National Drug and Alcohol Research Centre.

"The legal status of drugs gets an enormous amount of airplay, but in fact it may not substantially change people's behaviour," says Ritter.

The survey asked people what would happen if small amounts of drugs were legal, if they were punished with a fine, or if they were available from a government outlet with guaranteed quality and purity.

Most said legality would make no difference to the amount they would use, although about 15 per cent said they might use more drugs, and 25 per cent said they would probably drink less.
Ritter, who runs the centre's drug policy modelling program, is frustrated by the focus on crime and drugs. "It seems crazy to me," she says. "We know that providing treatment that's accessible and appropriate to someone's needs works, yet we invest substantially less in treatment services than we do in policing".

But if people wouldn't increase their drug use if they were legal, why is alcohol so widely used? Ritter says there is too much history and culture associated with alcohol to determine what role legality plays.

"You can't argue therefore that if cannabis for example became legal, 80 per cent to 90 per cent of the population would use it," she says.

Gino Vumbaca, executive director of the Australian National Council on Drugs, says if anything the experience with alcohol shows how not to legalise a drug. He argues governments are indeed interested in the majority of drug users who don't develop problems, and the council is working to develop an app to help people monitor their use.

"Sometimes people don't realise the patterns they are developing until it's too late," he says.But besides tobacco - which carries its own unique health problems - Vumbaca says alcohol causes Australians the most problems.

"It's quite easy to say that just because alcohol is legal it shows what a problem legalising drugs could cause, but what it shows is how not to do it," he says.

"You don't sit down and watch the cricket with people shoving ads down your throat saying 'this is the drug for you'. People are never going to support that".


Complete article, click here.

17/03/13

Suíça e drogas


As drogas na Suíça

A experiência com as drogas na Suíça se destaca sobretudo no tratamento de usuários de heroína, maior problema do país na área das drogas nos anos 1980. A opção foi implementar uma política baseada em saúde pública, com prevenção e terapia, em vez de criminalizar o usuário.

Em 1994, foi adotada na Suíça também a prevenção de danos: um programa de tratamento por administração de heroína e a criação de salas para injeção supervisionada. Cerca de 3 mil usuários problemáticos dessa droga (entre 10% e 15% dos dependentes e entre 30% e 60% dos consumidores) passaram a recebê-la gratuitamente. O governo da Suíça teve que negociar essa possibilidade, baseando-se na avaliação de que, quem abusava da heroína, ao recebê-la legalmente, deixaria os crimes e o tráfico de drogas.
O número anual de novos usuários caiu de 850 em 1990 para 150 em 2005. E cerca de um terço dessas pessoas deixaram a droga espontaneamente sem nem mesmo um tratamento associado. A política fez com que o mercado ilegal de heroína se inviabilizasse e levou a uma queda de 90% nos crimes contra a propriedade cometidos por participantes do programa do governo.

Ruth Dreifuss, ex-presidente da Suíça, é uma das integrantes da Comissão Global de Políticas sobre as Drogas da ONU. Foto: Spray Filmes



Em 2008, um plebiscito rejeitou o fim do programa com mais de dois terços dos votos. Também foi rejeitada a legalização da maconha na Suíça.

Para ver o artigo completo, clique aqui.


16/03/13

Exposição em Paris mostra artistas sob efeito de drogas

 Exposição em Paris mostra artistas sob efeito de drogas

"Sob Influências" reúne 250 obras, entre elas uma do brasileiro Hélio Oiticica; veja imagens

BBC Brasil

Uma exposição em Paris apresenta obras de artistas que estavam sob o efeito de drogas variadas e também criações que reproduzem as sensações psicológicas e as alucinações provocadas pelo consumo dessas substâncias.
A exposição "Sob Influências - Artistas e Psicotrópicos", apresentada na galeria Maison Rouge, em Paris, reúne 250 obras de 90 artistas, entre eles vários famosos, como Jean-Michel Basquiat, Damien Hirst, Francis Picabia, Jean Cocteau, o brasileiro Hélio Oiticica e o cineasta e fotógrafo Larry Clark.
"Sob Influências" também permite ao visitante ter experiências sensoriais. Para entrar, é preciso percorrer um corredor, a obra de arte "Swinging Corridor", do artista belga Carsten Höller, com paredes que parecem estar em ligeiro movimento, para dar ao espectador a sensação de um estado de embriaguez. Na entrada desse corredor, incensos reproduzem o cheiro da fumaça do ópio.
Visitantes têm apreciado tanto os incensos que acabam escondendo alguns nos bolsos, fazendo com que a galeria esteja com problema de falta de estoque, como constatou a reportagem da BBC Brasil.
Em alguns casos, a própria droga é a obra, como a do artista Adel Abdessemed, que "capturou" em uma caixa de vidro o cheiro deixado pela fumaça do haxixe. Na mostra, há ainda uma sala com objetos utilizados para o consumo de drogas, como uma mesa de inox usada em um espaço autorizado para viciados na Suíça (com uma placa lateral fixada ao tampo para proteger as paredes do centro de eventuais vômitos), além de obras feitas a partir de seringas e outros materiais usados pelos dependentes químicos.
A obra do brasileiro Hélio Oiticia, a "Quasi-Cinema 02-CC5", redesenha os traços do rosto do guitarrista Jimmy Hendrix com linhas de pó branco, na capa de seu disco "War Heroes". Sob a capa, uma folha de papel alumínio, normalmente usada para "esquentar" a droga.
"Os artistas, sempre em busca de novas formas de criação, de transgressões, de estímulos, de caminhos para a imaginação, praticamente não podiam evitar descobrir os efeitos das drogas", diz Antoine Perpère, curador da exposição e chefe de um centro de acompanhamento para dependentes em Paris.
"Mas o artista não é um drogado como qualquer outro porque ele tem a preocupação de transmitir o que vivenciou ao estar sob influência das drogas", afirma o curador, que ressalta que a exposição não tem por objetivo fazer julgamentos morais ou a apologia das drogas.
Entre as obras na exposição que foram criadas por artistas que estavam sob o efeito de drogas estão os autorretratos do artista americano Bryan Lewis Saunders, realizados após a utilização de uma substância diferente a cada dia, como cristais de metanfetamina, maconha ou cocaína.
Distorções
A exposição também apresenta vários desenhos do poeta e cineasta francês Jean Cocteau, que foi viciado em ópio e passou por vários processos de desintoxicação. Durante uma dessas curas, ele começou a escrever a obra "Ópium".
Uma segunda parte da exposição apresenta obras que tentam reproduzir as distorções dos sentidos causadas pelos psicotrópicos, como a instalação da artista japonesa Yayoi Kusama, famosa por utilizar "bolinhas" em suas criações.
Há também uma série de fotografias que mostram o cotidiano dos viciados, como as realizadas pelo fotógrafo e cineasta americano Larry Clark, com imagens, por exemplo, de uma grávida injetando heroína.
Os vídeos e filmes também têm grande destaque na mostra "Sous Influences". Em um deles, uma câmera que não muda de posição durante vários minutos exibe apenas o rosto de uma garota que acaba de consumir LSD, cabendo ao espectador tentar interpretar a "viagem" da jovem.
No final da exposição, há uma sala, que visualmente parece com uma biblioteca, com as paredes cobertas de fotos de livros sobre toxicologia que pertencem à Universidade de Harvard. A mostra fica em cartaz na Maison Rouge até 19 de maio.



Abaixo segue algumas fotos presente no site da BBC.



Essa são apenas algumas das fotos para ver o artigo completo e as outras fotos, clique AQUI.

13/03/13

Dartiu na Veja de 1995: As drogas são eternas.


Vale a pena ler a entrevista dada pelo Psiquiatra e Coordenador do Proad, Dr. Dartiu Xavier da Silveira em 1995 a revista Veja. 
Esta reportagem foi retirada e transcrita do acervo digital da Revista VEJA.

AS DROGAS SÃO ETERNAS

Psiquiatra lembra que a humanidade sempre consumiu drogas e diz que é preciso abrir o debate sobre sua legalização.
VEJA, 20 de dezembro de 1995. 
Autora: Flávia Varela
Transcrição: Paulo Roberto Brier D'Auria

Foto: VEJA
Em seus plantões no pronto socorro de psiquiatria do Hospital São Paulo, no início dos anos 80, o recém-formado Dartiu Xavier da Silveira Filho ficava especialmente intrigado com os pacientes viciados em drogas. “Pareciam gente como a gente. Não transpareciam nenhum transtorno mental”, lembra. Conversando com eles, mais interessado em compreender do que em recriminar, o médico começou a tentar entender “qual era a dessa turma”.
Depois de formado e pós-graduado em psiquiatria, Silveira foi fazer especialização em farmacodependências no Centre Medial Marmottan, em Paris. Em 1986, criou o Programa de Orientação e Assistência a dependentes, Proad, ligado à Escola Paulista de medicina da Universidade Federal de São Paulo. O Proad já atendeu cerca de 2200 pacientes e é hoje um dos centros de atendimento a viciados mais conceituados do país. Com quinze anos de experiência no assunto, consultor científico em farmacodependência da Organização Mundial de Saúde, o psiquiatra está cada vez mais seguro de que há muita mitificação em relação às drogas. “Acho  que a droga desperta um fascínio. No usuário, o fascínio é claro. Mas ele também se exerce sobre quem tem medo. Por não entender, as pessoas rejeitam e tratam as drogas como se fossem o grande mal da sociedade. Não são”, conclui.
Silveira declara-se fascinado pela paradoxal questão das drogas, “substâncias capazes de proporcionar tanto êxtases prazerosos incríveis quanto descidas radicais ao fundo do poço existencial”.  Se ele já experimentou? “Essa é uma pergunta proibida”, responde, alegando rigor profissional. Aos 40 anos, casado e pai de três filhos 10, 6 e 5 anos,  diz que pretende tratar o assunto de drogas em casa com conversa e “sem radicalismo”, quando achar que for oportuno ou quando for solicitado. Dias depois de ter lançado o livro “Drogas – Uma compreensão psicodinâmica das farmacodependências”, deu a seguinte entrevista a VEJA:

VEJA:  Por que as drogas provocam tanto medo na sociedade?
SILVEIRA: Porque se confunde uso com dependência. Uso de drogas existiu, sempre vai existir e não é uma coisa nociva.

VEJA: Então qual o perigo das drogas?
SILVEIRA: O problema é a dependência. As pessoas confundem dependência com uso recreativo e ocasional, que não costuma ter problema nenhum. É o mesmo caso do álcool. A maioria das pessoas que usam álcool o faz no contexto recreacional, e a gente nem pensa em chamá-las de alcoólatras. O mesmo é válido para as drogas ilícitas. Nem todo mundo que usa é drogado. Estudos da Associação Psiquiátrica Americana mostram que a grande maioria das pessoas que consomem drogas ilícitas não é nem nunca será dependente.

VEJA: Quantos usuários se viciam em drogas?
SILVEIRA: Os números dependem da droga e variam um pouco de acordo com as pesquisas. Em relação à maconha, mais de 90% não são dependentes. Sobre a cocaína os níveis são mais questionáveis. Entre 60% e 70% usam cocaína apenas no contexto recreacional.

VEJA: Não se deve encarar o usuário de droga como um dependente potencial?
SILVEIRA: Isso é preconceito. Houve uma época em que se dizia que o uso ocasional de maconha não era problemático, mas seria a porta de entrada para as dependências. Esse conceito não se comprova cientificamente. A maioria dos que fumam maconha a usa para se divertir, usa por um tempo limitado e depois abandona.

VEJA: Existe perigo maior em algumas drogas do que em outras?
SILVEIRA: De modo geral, o uso recreacional não é perigoso para nenhuma droga. Mas é lógico que existem diferenças. Por exemplo, a cocaína injetável é mais perigosa do que a aspirada. Não apenas porque seu efeito é mais forte, mas porque quem se dispõe a injetar uma droga na veia pretende um efeito muito maior, quer fugir da realidade, sair de órbita completamente. Essa pessoa é muito mais propensa à dependência. Por esse raciocínio, podemos dizer que o consumo de heroína, crack e cocaína injetável é mais grave que um baseado de maconha.

VEJA: Qual o prejuízo das drogas para a saúde?
SILVEIRA: É bom ter claro que os prejuízos acontecem pela quantidade e frequência, portanto podem alcançar tanto quem é dependente como aquela pessoa que usa muito, mas não pode ser considerada dependente. O uso crônico de cocaína pode levar a problemas graves. Um deles é o infarto precoce, que pode provocar a morte de pacientes jovens. Outro efeito possível são os microinfartos, quando há obstrução de pequenas artérias. Isso pode produzir a perda de funções cognitivas como a inteligência, a capacidade de abstração, a memória e a organização de ideias. A maconha é bem menos agressiva. Em alguns casos, há um quadro de perda de motivação. O álcool é das drogas mais lesivas. Existem até demências provocadas por ele. Podem acontecer hemorragias digestivas, problemas de fígado e disfunções endocrinológicas.

VEJA: O viciado usa droga com objetivo diferente do usuário?
SILVEIRA: O viciado em droga se encontra numa situação vivencial insuportável. Uma situação de que ele não consegue fugir nem enfrentar. Ele só tem uma alternativa, modificar sua percepção da realidade e, assim, deixar de sofrer. Ser depende de droga não é ter o desejo de usar drogas, é não ter a possibilidade de não usá-las.

VEJA:  Por que alguns se tornam dependentes e outros não?
SILVEIRA: Nunca se sabe de antemão quem vai tornar-se dependente. Basicamente, tem a ver com características biológicas, influências sociais e culturais e o perfil psicológico.

VEJA: Existem características psicológicas comuns aos que se tornam viciados?
SILVEIRA: Em geral, o viciado apresenta uma fragilidade do ego. Mede-se isso pelo nível de recursos que a pessoa tem para lidar com suas dificuldades. Há também a dificuldade de simbolização, que corresponde à capacidade de fantasiar. Algumas pessoas precisam de uma droga, de algo químico, para entrar no mundo da fantasia. Quanto ao que leva a essas fragilidades, podemos citar diversos fatores e mesmo enfatizar o papel das famílias problemáticas.

VEJA: A família do dependente tem culpa pelo vício?
SILVEIRA: Não é algo tão linear assim. Mas em alguns casos o drogado é um emergente patológico de uma família disfuncional. É ele que apresenta o problema, mas a família inteira está doente. Diversos drogados têm a história de uma figura paterna ausente, demissionária, pouco participante.  Outros podem ter tido uma mãe ambivalente. Uma mãe que em situações de extrema fragilidade não dá suporte emocional e, quando deveria soltar o filho no mundo, protege-o excessivamente. Mas aqui influem também aspectos socioculturais.

VEJA: Existe uma cultura no Brasil que favorece o contato com a droga?
SILVEIRA:Existe em todo o Ocidente. Isso é facilmente percebido com o cigarro e o álcool. Mas também há uma influência do meio social sobre as drogas ilegais. Para um grupo de adolescentes, o primeiro baseado de maconha é sinal de que o indivíduo já está aceito no grupo. Faz parte dos rituais de iniciação, como a primeira experiência sexual.

VEJA: Se os aspectos psicológicos e ambientais são tão importantes, pode-se afirmar que a dependência não tem a ver com quantidade e frequência do consumo?
SILVEIRA: Não há uma relação obrigatória. É claro que, quanto maior a frequência e a quantidade, maiores as chances de você já estar chegando ao limite da dependência. Se você bebe quando chega de noite em casa para dar uma desbandeirada, ao sair com os amigos, é uma coisa. Se você começa a ter de tomar um trago de manha para ir trabalhar, deixa de ser recreacional. A partir de certo nível, torna-se incompatível uma frequência alta com o uso recreativo.

VEJA: O que causa maior dependência: o efeito psicológico da droga ou químico?
SILVEIRA: Hoje existem remédios com os quais fica facílimo tirar alguém da dependência física. Existem remédios para dependências químicas de álcool, derivados de ópio como a heroína, benzodiazepínicos e barbitúricos. A cocaína e a maconha não causam dependência física, mas o individuo volta a consumir por causa da dependência psicológica. A partir desse dado se percebeu que a dependência psicológica é muito mais importante na manutenção do vicio do que a física. E esta existe para todas as drogas.

VEJA: Como os pais devem lidar com o conhecimento de que o filho usa drogas?
SILVEIRA: É uma questão muito difícil de lidar. O que a gente sabe é que a angustia dos pais não vai resolver o problema nem evitar que o filho use droga. O que eu tento passar par aos pais é que o mais importante não é se o filho usa drogas ou não, mas como está a qualidade de vida global dele.

VEJA: O que deve fazer o pai que encontra um baseado de maconha na mochila do filho?
SILVEIRA: A gravidade de encontrar um baseado é a mesma de o pai perceber que o filho chegou alto, bêbado, de uma festa. A atitude adequada é conversar. Descobrir o que aquilo representa para o filho. Saber se ele está bebendo demais, se precisa do álcool. Se ele não bebe, não consegue encontrar-se com a namorada? São essas informações que vão permitir saber se o uso da droga está ficando problemático.

VEJA: O consumo de álcool por jovens requer que tipo de atenção por parte dos pais?
SILVEIRA: As pesquisas mostram que, quanto mais cedo um adolescente começar a beber, maior a probabilidade de ele vir usar drogas ilegais. Ou seja, se fossemos pensar em porta de entrada, teríamos de falar do álcool e não da maconha. Quanto mais cedo ele começar a beber, também mais cedo ela probabilidade de se tornar alcoólatra.

VEJA: A droga dá prazer ao viciado para sempre?
SILVEIRA: Não, tem data marcada para acabar. É o que a gente chama de fim da lua-de-mel, quando a droga já não consegue mascarar a realidade. Nesse momento, a pessoa em geral procura ajuda. Antes disso o terapeuta não consegue agir. Nenhum terapeuta é tão gratificante para concorrer com a atração e o prazer das drogas. Aliás, isso é algo que poucos admitem. Os profissionais e a sociedade.

12/03/13

Drogas e psicanálise: Parte 4

Hoje terminamos a série de posts sobre Drogas e psicanálise com a Maria Rita Kehl. 

Aproveitamos para pedir que vocês votem na nossa enquete sobre qual droga gostaria de ler na nossa série semanal sobre drogas.

Equipe Proad
_________________________________________________________________________________

DROGAS E PSICANÁLISE - PARTE 4





PARA REVER OS OUTROS 3 POSTS CLIQUE ABAIXO NOS TÍTULOS:


  1. Drogas e psicanálise Parte 1
  2. Drogas e psicanálise Parte 2
  3. Drogas e psicanálise Parte 3


Drogas e psicanálise: Parte 3

DROGAS E PSICANÁLISE


Maria Rita Kehl e sua ótima percepção acerca do assunto das drogas.
Chegamos ao terceiro vídeo da série de vídeos sobre drogas e psicanálise.
Hoje apresentamos a parte 3. Vale a pena conferir.



Para ver a parte 1, clique aqui
Para ver a parte 2, clique aqui.


10/03/13

Drogas e psicanálise: Parte 2

Drogas e psicanálise: Parte 2

Parte 2  da palestra da psicanalista Maria Rita Kehl: "Drogas e Psicanálise". No Café Filosófico da TV Cultura.




Para ver a parte 1

Gostou do vídeo, gostaríamos que deixasse sua opinião, ela é importante para nós.

09/03/13

Drogas e psicanálise: Parte 1.

DROGAS E PSICANALISE 


Parte 1 de palestra da psicanalista Maria Rita Kehl: "Drogas e Psicanálise". No Café Filosófico da TV Cultura.




A psicanalista Maria Rita Kehl fala sobre drogas, sociedade e sobre a psicanálise embasando a construção desta relação.

05/03/13

Folha: Viciado volta às ruas de São Paulo após um mês de internação


Viciado volta às ruas de São Paulo após um mês de internação


FABIANA CAMBRICOLI
DO "AGORA"

Eduardo Anizelli/Folhapress
Foto ilustrativa

Pouco mais de um mês após procurar ajuda no Cratod (centro de referência para dependentes químicos) e ser internado em um hospital do Estado, um jovem viciado em crack há sete anos teve alta e está desaparecido.

O rapaz, de 22 anos, foi encaminhado ao hospital psiquiátrico Pinel, em Pirituba (zona norte), em 24 de janeiro.

A mãe dele, a dona de casa Sonia Aparecida Klein, 48, foi uma das pessoas que procuram o centro de referência para pedir a internação de parentes naquela semana --a primeira do plantão judiciário montado pelo Estado para agilizar os encaminhamentos.

No última quinta-feira, ele foi liberado. Segundo Sonia, o hospital já havia tentado liberar o filho outras duas vezes, dizendo que ele já havia passado pela desintoxicação.
"Na primeira vez, o médico chegou a assinar a alta, mas meu filho disse que não tinha condições de sair, que sonhava que estava usando a droga e acordava com o gosto dela na boca", conta.

O jovem saiu e foi orientado a continuar o tratamento num Caps (Centro de Atenção Psicossocial), da prefeitura, onde havia sido tratado anteriormente, sem sucesso.

No dia seguinte à alta, o rapaz fugiu. "Meu filho não tinha condições de ter alta ainda. O hospital está dando alta para todo mundo em 15 dias, um mês, para poder abrir vagas", diz Sonia.

Ela passou os últimos dias à procura do filho. "Vi meu filho melhorar, engordar e agora ele voltou para esse mundo [das drogas]", diz.


PRECOCE
Para o psiquiatra Ronaldo Laranjeira a liberação do paciente pode ter sido precoce. "Se o paciente pediu para não ter alta, ele estava sinalizando que não estava preparado para voltar", diz.

A Secretaria da Saúde afirma que, após a desintoxicação, médicos concluíram que "o paciente já apresentava condições clínicas" continuar o tratamento no Caps.

De acordo com a pasta, o jovem "recebeu toda a assistência necessária para seu tratamento".



Para ver artigo da Folha de São Paulo, clique aqui.

E você leitor do Blog do Proad,  o que pensa sobre essa situação que está ocorrendo em São Paulo? Opine.  


03/03/13

Prospective association of childhood attention-deficit/hyperactivity disorder (ADHD) and substance use and abuse/dependence: a meta-analytic review.


 2011 Apr;31(3):328-41. doi: 10.1016/j.cpr.2011.01.006. Epub 2011 Jan 20.

Prospective association of childhood attention-deficit/hyperactivity disorder (ADHD) and substance use and abuse/dependence: a meta-analytic review.


Source

Department of Psychology, University of California-Los Angeles, CA 90095-1563, USA. stevelee@psych.ucla.edu

Abstract


Given the clinical and public health significance of substance disorders and the need to identify their early risk factors, we examined the association of childhood attention-deficit/hyperactivity disorder (ADHD) with substance use (nicotine, alcohol, marijuana) and abuse/dependence outcomes (nicotine, alcohol, marijuana, cocaine, other). 

To strengthen a potential causal inference, we meta-analyzed longitudinal studies that prospectively followed children with and without ADHD into adolescence or adulthood. Children with ADHD were significantly more likely to have ever used nicotine and other substances, but not alcohol. Children with ADHD were also more likely to develop disorders of abuse/dependence for nicotine, alcohol, marijuana, cocaine, and other substances (i.e., unspecified). 

Sex, age, race, publication year, sample source, and version of the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM) used to diagnose ADHD did not significantly moderate the associations with substance outcomes that yielded heterogeneous effect sizes. These findings suggest that children with ADHD are significantly more likely to develop substance use disorders than children without ADHD and that this increased risk is robust to demographic and methodological differences that varied across the studies. 

Finally, few studies addressed ADHD and comorbid disruptive behavior disorders (DBD), thus preventing a formal meta-analytic review. However, we qualitatively summarize the results of these studies and conclude that comorbid DBD complicates inferences about the specificity of ADHD effects on substance use outcomes.

Complete article, clique here.


16/02/13

Espaço para consumo de drogas na França: Polêmica


Criação de espaço para consumo de drogas gera polêmica na França




O primeiro espaço para consumo de drogas, ou “sala de shoot”, como é chamada no país, promessa de campanha do presidente François Hollande, será aberto em Paris neste semestre, segundo o governo.
Ele será inaugurado nas proximidades da estação de trem Gare du Nord (de onde parte e chega o Eurostar, que liga Paris a Londres), no 10° distrito (arrondissement) de Paris.
O local irá acolher usuários de heroína, crack e cocaína, que trarão suas drogas ao local e poderão utilizá-las sem fornecer sua verdadeira identidade.
O objetivo é que as drogas possam ser consumidas em boas condições de higiene e sob a supervisão de funcionários de saúde, evitando novos casos de Aids ou de hepatite C e overdoses.
Alguns especialistas ressaltam que o fato de existir supervisão médica no momento do consumo da droga pode incitar usuários a utilizar quantidades maiores e aumenta os riscos de overdose.

Controvérsia

O prefeito do 10° distrito, o socialista Rémi Féraud, foi o único prefeito de bairro da capital a se candidatar para a abertura do local.
Viciados em drogas, sobretudo injetáveis, costumam circular nos arredores da Gare du Nord e de outra estação de trem, a Gare de l’Est, nas proximidades. Segundo o prefeito, são “centenas de toxicômanos que vagam pelas ruas” nesses locais.
Para Féraud, o sinal verde dado pelo governo para a criação de um local de consumo de drogas “com riscos menores e enquadramento médico é uma excelente notícia”.
Mas muitos não compartilham do entusiasmo do prefeito. A Academia Nacional de Medicina da França, que tem como função responder a questões do governo na área de saúde pública, divulgou um comunicado reiterando sua oposição à criação de salas de consumo de drogas.
Para a Academia de Medicina, a iniciativa pode contribuir para manter o vício do toxicômano em vez de tratar o problema da dependência química.
“A França já possui estruturas para viciados facilmente acessíveis e que fornecem tratamentos de substituição à heroína, com a utilização da metadona”, afirma a entidade.
Essas estruturas já existentes oferecem também acompanhamento psicológico e social para os viciados inscritos.
“A medicina deve tratar e não manter as doenças. Os resultados de experiências de consumo livre de drogas em salas desse tipo em outros países não permitem tirar conclusões médicas positivas”, afirma o psiquiatra Jean-Pierre Olié e membro da Academia de Medicina da França.

Críticas e exemplos internacionais

Segundo ele, experiências desse tipo em países como a Suíça, Holanda, Alemanha ou Canadá, não resultaram no aumento nem na diminuição do número de viciados, e também não levaram a um aumento no número de inscrições em programas de desintoxicação.
A Suíça foi pioneira, em meados dos anos 80, na criação de locais de consumo livre de drogas.
Olié afirma ainda que a falta de uma análise mais técnica e aprofundada das drogas utilizadas no local não permitirá verificar a natureza dos produtos injetados.
Partidos da oposição de direita também criticam a sala de “shoot” em Paris, afirmando que isso “vai encorajar e banalizar o consumo de drogas e garantir assistência ao envenenamento das pessoas”.
Uma pesquisa do Instituto Ifop revela que a maioria dos franceses é contrária às salas de consumo de drogas.
Associações de moradores e de lojistas do 10° distrito de Paris também criticam a abertura da “sala de shoot” no bairro. Eles temem que o local acabe agravando o problema do tráfico e do consumo de drogas que já existe na região.
Diante de tantas críticas, a ministra da Saúde, Marisol Touraine, disse que o governo terá “tolerância zero” em relação ao tráfico.
“Trata-se de acompanhar os viciados e fazer com que eles encontrem profissionais de saúde e possam sair da dependência”, defende a ministra.

Para ver artigo original, clique aqui.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...